Relógios de rua de Porto Alegre

Enviado por Yukare em sexta-feira, 4 de Agosto de 2017 - 01:10

Nota: originalmente escrito em Janeiro de 2017, poucos dias após o novo prefeito assumir.

Existem coisas na política do Brasil que é complicado de entender. Quando falta dinheiro para fazer algo se entende, afinal ele acaba. Mas coisas que acontecem por pura incompetência são difíceis de saber o motivo.

Vamos a um exemplo daqui de Porto Alegre. Aqueles relógios de rua que marcam as horas. Desde junho de 2015 eles estão desligados. Um ano e meio depois e ainda não se tem nem uma licitação em progresso para que outra empresa assuma isso, mas vamos por partes.

Quando isso aconteceu, a prefeitura prometeu que seria feita uma nova licitação e que os novos relógios teriam entre outras coisas wi-fi(acesso a internet) gratuito, os horários dos ônibus e outras coisinhas mais. Isso dito pela mesma prefeitura que prometeu corredores de ônibus com paradas de vidro e ar-condicionado para a copa e que foi entregar os corredores dois anos e meio depois disso(justo em cima da eleição, que coincidência) sem paradas de vidro e ar-condicionado.

Um ano e meio depois com algumas licitações mal feitas e com critérios absurdos(as empresas precisariam gastar mais de 400 milhões, quero saber da onde vai vir tanto lucro de publicidade) ainda não temos nada. No momento nem licitação em progresso temos. E também não temos os relógios anteriores funcionando.

Se a empresa ia parar de cuidar deles por exigência da prefeitura, e eles sabiam que isso seria feito, porque não deixaram para interromper o serviço quando já tivesse sido feita uma nova licitação? Seria pedir muita competência que a prefeitura fizesse a licitação antes de a empresa anterior parar? O resultado prático é que vamos ficar dois anos sem os relógios por falta de vontade política da prefeitura, mesmo não custando um centavo para eles, alias, teriam vantagem, porque a empresa teve que tirar os funcionários que trabalhavam na manutenção dos relógios, fazendo a cidade perder arrecadação com impostos e empregos.

Tags